Skip to main content
search

O Grupo Greenvolt registou um crescimento de 20% nas receitas totais nos primeiros três meses do ano para 67,7 milhões de euros, com o EBITDA, excluindo custos de transação, a cifrar-se em 22 milhões de euros.

Os segmentos de Utility Scale e Geração Distribuída apresentaram um forte contributo para o total do Grupo, fruto da aposta da Greenvolt noutros segmentos para além do da Biomassa. As receitas do Utility Scale cresceram mais de 200%, enquanto as da Geração Distribuída aumentaram em 131%.

A Biomassa passou a representar 65% das receitas, face aos 85% no período homólogo, com Geração Distribuída a aumentar de 15% para cerca de 30%. Ao nível do EBITDA, o segmento de Utility Scale representa agora cerca de um terço do total do Grupo.

Os resultados do primeiro trimestre de 2023 traduzem a redução do EBITDA da Biomassa devido, sobretudo, aos menores preços spot no Reino Unido, já previstos, bem como o facto de não ter sido concluída nenhuma operação de venda de ativos“, refere João Manso Neto, CEO do Grupo Greenvolt. O resultado líquido atribuível à Greenvolt foi de 0,3 milhões.

Biomassa residual injeta mais de 250 GWh na rede elétrica

Durante o primeiro trimestre de 2023 foram injetados na rede 253,6 GWh gerados a partir de biomassa exclusivamente proveniente de resíduos, em linha com o mesmo período do ano passado.

No Reino Unido, onde o Grupo detém 51% da Tilbury Green Power, assistiu-se a uma diminuição dos preços de venda de eletricidade para valores que, ainda assim, continuam significativamente acima do previsto no Plano de Negócios inicial.

Neste contexto, as receitas totais registaram uma diminuição para 43,1 milhões de euros. Neste segmento, onde são contabilizados também os custos de estrutura do Grupo Greenvolt, o EBITDA excluindo custos de transação recuou 41% para 15 milhões de euros.

Utility Scale mais do que triplica receitas

No segmento de energia renovável solar fotovoltaica e eólica Utility Scale, o Grupo Greenvolt tem 119 MW instalados e em operação que injetaram cerca de 22,6 GWh na rede.

Reflexo das vendas de energia de parques em operação e de green certificates, bem como dos serviços de gestão de ativos, as receitas ascenderam a cerca de 6,8 milhões de euros, mais do que triplicando face ao mesmo período do ano anterior.

O Grupo Greenvolt tem, atualmente 460 MW em construção e mais 120 MW em RtB. No total, detém 691 MW pelo menos em RtB, o triplo do registado no período homólogo.

O pipeline de projetos, medido pela capacidade total dos mesmos, ascende a 11,6 GW, sendo que a sua capacidade ponderada por probabilidades de sucesso ascende a 6,9 GW em 13 geografias. Deste total, espera-se que, até ao final de 2023, estejam em RtB, construção ou COD cerca de 2,9 GW.

Forte crescimento na Geração Distribuída

Na Geração Distribuída, o Grupo Greenvolt está já em seis geografias europeias, mantendo-se atenta a várias oportunidades de expansão geográfica, quer no autoconsumo individual quer no coletivo.

Durante o primeiro trimestre de 2023 as instalações de autoconsumo em Portugal, Espanha e Polónia ascenderam a 16 MW, o que representa 40% do total instalado em todo o ano de 2022 e um crescimento de 146% face ao período homólogo. No final do trimestre, a Greenvolt detinha ainda um backlog total de 150,8 MWp por instalar, dos quais 49,2 MWp através de PPAs.

As receitas acumuladas do primeiro trimestre de 2023 ascenderam a cerca de 19,4 milhões de euros, um aumento de 131%  face ao período homólogo, tendo o EBITDA sido negativo em cerca de 1,2 milhões, reflexo ainda dos custos de aceleração e expansão do segmento observado nos últimos 12 meses, estimando-se, contudo, que no fim de 2023, o contributo para o EBITDA deste segmento seja positivo, no seguimento das medidas em implementação para aumentar o ritmo de instalações.

Leave a Reply